domingo, 19 de novembro de 2017

FALA AÍ BRASIL... JOÃO AYRES VIII

O livro das intenções e fracassos.
1 Tragédia número um.
Ontem cheguei cedo e preparei um belo jantar.
Esperava que ela chegasse feliz, pois amanhã não teríamos que trabalhar.
Preparou em terceira pessoa do singular arroz branco solto com legumes, quase um risoto, berinjela recheada com molho de tomate orgânico e mais a tal salada verde com tomates italianos. Tudo isso regado a vinho tinto.
Ela chegou com uma cara atemporal e com as roupas amassadas e uma mancha de batom no rosto. Disse em pretérito perfeito que havia feito sexo com o seu chefe, por quem nutria uma atração irresistível.
Ele tentou se controlar naquela situação e disse também em pretérito imperfeito que ia fazer as malas e ir embora naquele mesmo dia.  Ela pediu para que ele ficasse, pois ela o amava e entendia que aquilo havia sido apenas um arroubo.
Ele concordou em ficar, mas o seu estômago agora era mais importante do que o ato da adúltera em questão.
Ele foi até ao substantivo cozinha e lá devorou o apetitoso prato. A adúltera chorava copiosamente no substantivo sala.
Ele decidiu comer toda a refeição que havia preparado e que lhe custou quase duzentos reais.
Ele agora tem o nome que deve ter. Ele agora satisfeito e feliz após comer aquela belíssima refeição.
Ela caminhou lentamente até o substantivo cozinha e ousou sentar em frente a ele. Ela disse que estava com fome e ele sugeriu que ela fritasse um ovo, pois ele havia comido a maravilhosa refeição e bebido todo vinho.
Ela entendeu em pretérito perfeito a gravidade da situação e decidiu que ia fritar o tal ovo.
Ela pegou em primeira pessoa do singular a palavra frigideira e colocou ou derramou um tanto de azeite de boa qualidade na  tal palavra e posteriormente quebrou dois ovos e colocou-os na tal palavra em questão.
Sentiu em primeira pessoa do singular que o marido a abraçava por trás e que tocava os seus seios gentilmente e colocava em sua boca algo que se parecia com um doce de compota de coloração vermelha e em questão de minutos ela sofria fortes convulsões e desmaiava e então ela caiu naquele chão frio e ouviu ainda o marido pronunciar lentamente a  palavra arsênico e o adjetivo inglês Darling  e + os tais ovos  que queimaram como se era de esperar e + a fumaça que tomava todo o ambiente.
João Ayres

sábado, 18 de novembro de 2017

EU FALO DE... FORÇA MOTRIZ


Eu sei que corro o risco de repetir-me demasiadas vezes neste assunto mas nunca fui de esconder a minha satisfação por, grande parte dos autores que conheço, reconhecerem em mim as competências necessárias para levar a bom porto os projectos em que me envolvo e, por essa razão, aceitarem, quase de olhos fechados, embarcar comigo.

Foi assim com as antologias que organizei. Foi assim com a colecção de poesia STATUS QUO. Foi e continua a ser assim com o TOCA A ESCREVER (blogue de divulgação de poesia). Tem sido assim com o TOCA A FALAR DISSO (blogue de divulgação literária). Tem sido assim com a parceria TOCA A ESCREVER/IN-FINITA. Começa a ser assim com o projecto IN-FINITA. Começa a ser assim com a nova colecção de contos ISTORIAS.

São mais de uma dezena de projectos e em todos tenho-me motivado através de uma força motriz, que me move e impulsiona. E essa força motriz tem muitos nomes; o de todos os autores que têm contribuído para o sucesso de cada projecto.

E o orgulho pelo trabalho feito só pode aumentar e manter-se elevado quando, de forma regular e sistemática, sou interpelado por outros autores que, vendo a satisfação daqueles que colaboraram comigo, também se colocam à disposição para futuras iniciativas.

Tal como disse no início deste texto e repetindo-me, cada dia que passa fico mais satisfeito com a forma como, muitos autores, reconhecem em mim méritos suficientes para embarcarem nos projectos em que me envolvo. Mais satisfeito fico quando esse reconhecimento vem também daqueles que nem conheço.

E a minha satisfação aumenta porque aumenta também a força motriz que me move e impulsiona.

MANU DIXIT 

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

ADRIANA APRESENTA... BÁRBARA LIA


Ao chegar em Lisboa, na mala, além de roupas, trouxe alguns livros (não todos como desejava). No coração, como prometido, todos os autores e poetas que de alguma forma, estiveram comigo nessa caminhada de divulgação da lusofonia e principalmente, nos últimos eventos antes da viagem. E no pensamento, alguns projetos que bailavam ansiosamente para ganhar espaço além do território nacional verde e amarelo. E é com imensa satisfação que em menos de sessenta dias, com uma pausa para descanso, o trabalho começou a acontecer.

Um dos projetos da empresa In-Finita, além de organizar antologias e coletâneas, produzir e apoiar autores com livros e revistas, fazer trabalhos de capa, revisão, paginação, convites, redes sociais e sites, produzir, fomentar e divulgar eventos, entre outros serviços, inclui o de assessoria literária, bem diferente de ser agente. Particularidades, explicadas em reuniões com café a quem possa interessar.

Com isso, diante do sim imediato de autores convidados, aos quais agradeço pela confiança e receptividade, apresento nesse primeiro momento Bárbara Lia, nascida em Assai (PR). Poeta e Escritora. Professora de História. Publicou dez livros, entre eles: O sorriso de Leonardo (Kafka edições baratas), O sal das rosas (Lumme), A última chuva (ME), Constelação de Ossos (Vidráguas), Paraísos de Pedra (Penalux), Solidão Calcinada (Imprensa Oficial do PR) e Respirar (Ed. do autor). Integra várias Antologias, entre elas: O que é Poesia? (Confraria do Vento / Cáliban), O Melhor da Festa 3 (Festipoa), Amar - Verbo Atemporal (Rocco), Fantasma Civil (Bienal Internacional de Curitiba), A Arqueologia da Palavra e a Anatomia da Língua (Maputo). Vive atualmente em Curitiba.

Atualmente, terminando o romance que passou para a última fase do prêmio de criação literária kazuá, do qual transcrevo a título de divulgação e incentivo à autora, por quem tenho imenso carinho e admiração pelo talento, habilidade criativa e pela mulher guerreira que é.

"Como os povos que temem que lhe roubem o território, que os ataquem, que incendeiem suas casas, recebo o mundo e as pessoas como aqueles guerreiros tenazes, com os olhos faiscando de fúria. Acho que a derivação do meu nome me coloca no patamar do pecado. Eu sou Lily... Quase Lilith, eu não sou Eva. Eu nunca fui. Eu sempre – me coloquei ao lado dos homens – como disse um amigo em uma noite. Eu apenas sorri. Não aceito que sou produto de suas costelas. Eu me coloco ao lado dos homens. Sim, eu me coloco. Sou Lily. Sou Elm. Eu sou o Olmo. Sou esta árvore associada ao submundo: Lily Elm.
Quando nasci ganhei a densidade dos que não cabem no Paraíso. E isto foi o adendo, as coisas acrescidas ao meu mapa pessoal, a vida pontuando nãos. O primeiro Olmo (Elm) nasceu no exato lugar onde Orfeu parou para tocar para sua amada Eurídice, depois de resgatá-la do submundo. Eu sou o pecado e sou a fúria, mas também sou o campo sonoro onde brota a primeira árvore, por amor. Selvagem e guerreira, pronta para a batalha da vida."

Bárbara Lia

fragmento do romance inédito - não o convidei ao meu corpo


Bem-vinda Bárbara Lia, à família In-Finita !


Contato ASSESSORIA LITERÁRIA : adriana.mayrinck@gmail.com

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

FALA AÍ BRASIL... TACIANA VALENÇA - IX

"Os fins justificam os meios "

Em sua principal obra, "O Príncipe", Nicolau Maquiavel, cria um verdadeiro "Manual da Política", sendo interpretado de várias formas, inclusive sua frase (que dizem jamais ter escrito): "Os fins justificam os meios", é até hoje mal interpretada, assim como é injusto o adjetivo "maquiavélico" e o substantivo "maquiavelismo". Esses termos, que tem origem na sua luta política, são usados cotidianamente ( e injustamente ) de maneira pejorativa. A frase é apenas um resumo da maneira de pensar desse renascentista. Para ele, quase tudo que veio antes estava errado, inclusive as idéias e pensamentos de Aristóteles (cuja prudência era o melhor caminho). Ele não quis dizer que qualquer atitude seria justificada dependendo do objetivo, quis dizer apenas que os fins determinam os meios e que, de acordo com seus objetivos, poderão ser traçados os planos de como atingí-los. Para ele, governar era uma arte e para isso era preciso ser coerente e prático. Era preciso executar friamente as observações antes meticulosamente observadas e analisadas sobre o Estado e a Sociedade. Maquiavel tinha espírito inovador, queria superar o medieval, separar os interesses do Estado dos dogmas e interesses da igreja. Não era o vilão que pintam, ao contrário, nem era malvado. A obra de Maquieavel deixou uma grande contribuição para o mundo, ensinando a vários políticos e governantes. Ficará para sempre tanto na história, quanto na nossa vida cotidiana, já que é uma obra atemporal. Ensinando aos governantes, ensinou também ao povo e é por isso que sempre será considerado um dos maiores pensadores da história do mundo. Algumas máximas maquiavélicas: "Os fins justificam os meios" "Não se pode chamar de "valor" assassinar seus cidadãos, trair seus amigos, faltar a palavra dada, ser desapiedado, não ter religião. Essas atitudes podem levar à conquista de um império, mas não à glória" "Homens ofendem por medo ou por ódio" "Assegurar-se contra os inimigos, ganhar amigos, vencer por força ou por fraude, fazer-se amar a e temer pelo povo, ser seguido e respeitado pelos soldados, destruir os que podem ou devem causar dano, inovar com propostas novas as instituições antigas, ser severo e agradável, magnânimo e liberal, destruir a milícia infiel e criar uma nova, manter as amizades de reis e príncipes, de modo que lhe devam beneficiar com cortesia ou combater com respeito, não encontrará exemplos mais atuais do que as ações do duque." "Um príncipe sábio deve observar modos similares e nunca, em tempo de paz, ficar ocioso"" "...Pois o homem que queira professar o bem por toda parte é natural que se arruíne entre tantos que não são bons." "... vindo a necessidade com os tempos adversos, não se tem tempo para fazer o mal, e o bem que se faz não traz benefícios, pois julga-se feito à força, e não traz reconhecimento." "Tendo o príncipe necessidade de saber usar bem a natureza do animal, deve escolher a raposa e o leão, pois o leão não sabe se defender das armadilhas e a raposa não sabe se defender da força bruta dos lobos. Portanto é preciso ser raposa, para conhecer as armadilhas e leão, para aterrorizar os lobos."


TACIANA VALENÇA 

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

FALA ÁFRICA... MACVILDO PEDRO BONDE - XII

COR DO CHÁ

Quando vagueamos inferno as vozes solidárias ofuscam toda a força negativa com um suspiro no olhar. Há uma complexidade dentro de mim: o anjo passeia nas ruas do meu quarto. Traz consigo umas calças de ganga atada ao vento que se arrasta nas folhas caídas. Todos escutam a voz do céu, elevam os braços para que as côdeas maiores que o bolo de arroz, beijem os beiços famintos ao anoitecer.

Tenho saudades do prego no pão, e o cheiro a maresia que abarcava o quintal da infância. Não me arrependo das coisas fúteis; elas alimentam o coração ferido.

Como a dor da perda se esvai no esgoto dos olhos, a felicidade esbarra na quantidade de sonhos ofuscados na cor do níquel. Brinco com os talheres que secam na brevidade da fome onde as flores invisíveis arrastam o seu odor nas chávenas. A cor do chá é negra e os olhos do meu cão azuis, no reflexo da parede.

Macvildo Pedro Bonde
Breve biografia
M.P.Bonde nasceu a 12 de Janeiro de 1980 em Maputo. Foi membro do projecto (JOAC) e do colectivo Arrabenta Xithokozelo. Em 2017 lançou a sua primeira obra literária “Ensaios Poéticos” pela Cavalo do Mar.
Vencedor da 1.ª edição do Prémio Literário Fernando Leite Couto.