sábado, 22 de abril de 2017

EU FALO DE... VISITA AO GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA

PODEM ACOMPANHAR E SABER MAIS SOBRE O TRABALHO DO G.A.C NESTE LINK


O percurso de um autor não se faz apenas de lançamentos e apresentações dos livros editados. O percurso de um autor não se deve limitar a presenças regulares em feiras do livro e tertúlias ou saraus. O percurso de um autor não deve estar direccionado apenas na conquista de novos leitores. O percurso de um autor deve, para além de tudo o que atrás referi, completar-se com momentos de partilha com aqueles que são colocados à margem da sociedade ou, mais grave ainda, ignorados socialmente.

O parágrafo anterior serve de ponto de partida para vos dar conta da belíssima tarde que desfrutei, no passado dia 4 de Abril, junto dos utentes do Grupo de Acção Comunitária (GAC), a convite da autora, e psicologa desta instituição, Marta Teixeira Pinto.

Inserida na actividade de escrita criativa, esta minha visita permitiu-me contactar mais de perto com uma realidade que, na maioria das vezes, parece estar longe dos nossos olhos, isto quando não nos limitamos a desviar o olhar e fingir que não vemos.

Precisamente devido a essa reacção, ou falta dela, alguns técnicos de doença mental acharam por bem criar esta instituição com o propósito de prestar um melhor serviço àqueles que mais necessidade têm de um apoio continuado para superar, não só a doença, mas, acima de tudo a indiferença de toda a sociedade.

De modo a serem criadas condições para o desenvolvimento cognitivo dos utentes, os profissionais do GAC desenvolveram uma série de actividades que lhes permitem alguns progressos visíveis, entre elas a escrita criativa, que pude constatar nesta visita e me foi explicado por Elisabete Sousa, uma das utentes que, tal como outros, de forma interessada e participativa, se revelou uma enorme anfitriã.

Depois de uma visita guiada pelas instalações foi-me entregue um livro, editado pela Federação Nacional de Entidades de Reabilitação de Doentes Mentais, cujos textos são da autoria de algumas das pessoas que, por razões bem distintas e em graus diferentes, sofrem de alguma patologia de foro mental, e deixam desta forma registadas algumas memórias e considerações sobre tudo o que está relacionado com a doença que os atingiu.

Numa sala muito bem composta por utentes e técnicos do GAC, sentados em círculo, deu-se início ao evento. Primeiro, um a um, todos os presentes apresentaram-se falando um pouco de si, do tempo que frequentam a instituição e das actividades em que participam. E foi importante para mim ver que todos eles (especialmente os utentes) falaram-me olhos nos olhos e sem qualquer complexo sobre a sua doença. E senti que o fizeram quase como uma demonstração inequívoca de que, apesar dos seus problemas de saúde, são iguais a todos os outros que, como eu, são considerados normais aos olhos da sociedade. E, de facto, a conversa decorreu entre iguais.

O interesse pela minha presença ficou expresso nas diversas perguntas, muitas delas bem mais pertinentes do que as que me colocam nas sessões de lançamento e apresentação dos meus livros. Tive de falar do meu percurso como autor, do meu processo criativo, das diversas actividades em que me tenho envolvido, das minhas expectativas e objectivos, de projectos futuros. Tive também de contar, alguns episódios engraçados, e outros nem tanto, relacionados com a escrita e comigo. Também foram lidos poemas meus; nem só por mim.

E quando eu pensava que a tarde já estava a correr muito bem fui presenteado, pelos utentes, com algumas leituras de trabalhos feitos no âmbito da actividade de escrita criativa, que mereceram muitos sorrisos e gargalhadas.

No final, para terminar em beleza, ou como se costuma dizer; a cereja no topo do bolo, foi servido um lanche (bolo e chá) feitos pelos utentes.

Em resumo, foi uma tarde muito bem passada, com conversa séria e muitos momentos divertidos e de boa disposição junto dos utentes e colaboradores do GAC.

Para terminar quero deixar expresso, de forma pública, o meu agradecimento à Marta Teixeira Pinto pela honra do convite que me fez e pela enriquecedora experiência que o mesmo me proporcionou.

Que todos os momentos de um autor fossem assim!

MANU DIXIT


2 comentários:

  1. Assino e subscrevo tudo o que aqui foi dito. Apesar de estar controlada tenho uma doença mental, sou bipolar II. E sempre senti que se tem mais compaixão por alguém que tem um defeito no corpo. "Defeito" na mente é muitas vezes confundido com mau feitio, por exemplo. Mas, o mais importante é o convívio do autor com vários grupos da sociedade, levarmos a poesia pessoalmente e não só através de livros. Dar-nos aos outros em tempo e presença e partilha é gratuito e muito enriquecedor!! LUCY GALHARDO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato pela visita comentada e partilha de experiência.

      Eliminar

Toca a falar disso