quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

VAMOS FALAR DISSO... MARIA EUGÉNIA PONTE


BookCrossing

Para quem não sabe é uma espécie de clube de livros global, que atravessa o tempo e o espaço.

É um grupo de leitura que não conhece limites geográficos, como se fosse uma Biblioteca Mundial ou uma rede social que pretende conectar pessoas através de livros.

Os seus membros gostam tanto de livros que não se importam de se separar deles, libertando-os, para que possam ser encontrados por outros.

Muitos amantes da leitura pensam que gostar de ler significa amontoar livros já lidos, alguns  não vão ser lidos de novo mas ficam nas prateleiras da estante a acumular poeira.  Os Bookcrosser’s  aprendem a partilhar esses livros e a dar a outros oportunidade de usufruir do prazer de os ler.

Há várias maneiras de o fazer e isso podem descobrir acedendo ao site que, felizmente, já possui plataforma em português.

O endereço do site é: http://www.bookcrossing.com/

Foi lançado em 21 de Abril de 2001, nos Estados Unidos e, a partir daí, espalhou-se por todo o mundo muito rapidamente. O primeiro Bookcrosser português registou-se em 2002. Desde então o número de portugueses tem vindo a aumentar, havendo neste momento mais de 10 000 Bookcrossers portugueses registados. A nível mundial, Portugal é neste momento o décimo país com mais membros.

Eu inscrevi-me no site em 30 Novembro de 2007 e comecei por registar 1 exemplar do meu primeiro livro, Desencontros Virtuais.

O fórum português  (http://www.bookcrossing.com/forum/19 ) é geralmente o primeiro local onde se tem contato com os restantes membros. Aqui os bookcrossers portugueses podem trocar impressões sobre os livros que lêem, recomendar autores e descobrir novas leituras. Mas, mais do que isso é também um ponto de encontro de uma comunidade centrada à volta da leitura. Aqui criam-se amizades que duram para uma vida. Mais ativos nos bookrings e nas trocas do que propriamente na libertação de livros (podem pesquisar no site o que são os bookrings e as trocas de livros), os Bookcrossers portugueses nunca deixam de promover ações a nível nacional como a convenção anual, encontros, piqueniques, passeios e libertações em massa, onde não só se tenta espalhar a missão do Bookcrossing (transformar o mundo numa biblioteca), mas também se reencontram velhos amigos.

Foi no fórum que, pouco a pouco, fui entendendo o espirito do BookCrossing.  Um dos membros aconselhou-me a colocar o meu  livro em BookRay ou BookRing, explicando que a diferença era que no 1º caso o livro era lido pelas pessoas que se inscreviam para tal e, no fim, seria libertado num lugar qualquer para que alguém o encontrasse e no 2º caso, o livro voltaria para o seu dono.

Resolvi colocá-lo na 1ª.opção e lá seguiu ele para a 1ª.pessoa que se inscreveu (de um total de 29).

Entretanto, registei outro exemplar mas para esse experimentei a verdadeira essência do BookCrossing que consiste em permitir aos livros encontrar novos leitores.

A libertação do livro é o passo principal, consiste em deixá-lo num local onde possa ser encontrado para que possa ser lido e podemos seguir o seu percurso se a pessoa que o encontrar entrar no site e registar que está em seu poder e deverá voltar a "abandoná-lo" quando terminar de o ler, deixando a sua opinião sobre o livro.

Por isso, antes de libertar um livro, convém identificá-lo correctamente, para que o próximo leitor saiba que se trata de um livro do BookCrossing, e que deve vir ao site dar notícias dele.

Depois da minha primeira experiência, com  livros da minha autoria que, curiosamente, acabaram por ir parar ao Brasil, registei no site os livros da minha estante e, a partir daí, tenho lido, emprestado, libertado… enfim, a minha relação com os livros nunca mais foi a mesma. Neste 5 anos de BookCrossing  muitas histórias curiosas poderia contar-vos mas iria alongar-me demasiado.

Neste momento, já não sou tão presente no movimento  mas, sempre que posso, aconselho-o pois foi graças ao BookCrossing que descobri novos autores e novos géneros literários que nunca tinha experimentado, recomendados por quem realmente gosta de ler e que não tem intenções comerciais. Por outro lado, posso partilhar com outras pessoas as minhas leituras, negando a tradicional ideia de que a leitura é um ato isolado. E claro, não posso esquecer a grande emoção que é receber um email com notícias de um livro libertado na rua, saber que encontrou novos leitores e que fez alguém feliz.

Claro que devemos ter sempre em conta o facto de que ninguém é obrigado a emprestar livros da sua biblioteca pessoal, e muito menos somos obrigados a enviar os nossos livros a alguém que facilmente os encontra numa biblioteca municipal.

O que o BookCrossing permite é a criação de um sentimento de partilha e isso é muito gratificante.

A descoberta deste verdadeiro mundo é uma experiência única para quem gosta de ler e de partilhar esse gosto.

MARIA EUGÉNIA PONTE

19 comentários:

  1. Gostei do testemunho e da forma como a Eugénia nos faz conhecer este conceito.
    No entanto eu e os meus livros temos uma relação inseparável.
    Quase nunca empresto um livro só mesmo a quem os trata com a mesma paixão que eu. E todos os que tenho quase sempre volto a ler, tenho livros com mais de 20 anos que ainda hoje releio. O facto de os não libertar poderá ser um ato egoísta,se é, sou egoísta com os meus amigos livros.
    Já entrei no site mas assim em jeito de fugida o que achei mais interessante é o facto de poder partilhar a experiência de leitura com outros "amantes" dos livros.

    Um artigo bastante interessante, parabéns ao Emanuel e à Eugénia.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana! Tal como tu, também sou "egoísta" com os meus amigos livros e vou ainda mais longe... nem os empresto. No passado, quando o fiz, nunca mais os vi e nem sabem deles!!! E ando sempre a reler e aprender coisas novas cada vez que os leio.
      Mas o BookCrossing não deixa de ser um conceito interessante. E como tem tudo a ver com este blogue faz sentido este artigo da Maria Eugénia!
      Beijoca.

      Eliminar
  2. Pois eu garanto-vos que pensava e sentia da mesma maneira até entrar para o BookCrossing.
    Mesmo livros que eu sabia que dificilmente voltaria a ler custava-me separar-me deles, emprestava à minha sobrinha mais velha (tão fanática da leitura quanto eu) e, mesmo assim, controlava se ela os devolvia.
    Foi no BookCrossing que eu comecei a sentir que o prazer de partilhar era maior que o prazer de guardar.
    Há uma relação de confiança entre os bookcrosser's que, aliada a alguns cuidados que convém ter, claro, nos garantem que os livros emprestados voltam para casa.
    E só emprestamos aqueles que queremos, obviamente...
    Não se trata propriamente de ser ou não egoista, é uma outra forma de sentir e viver os livros e a leitura.
    E isso cultiva-se, é uma nova filosofia, atrevo-me a dizer que o nosso amor aos livros nos faz ter vontade de os deixar voar ao vento para serem felizes noutras paragens e fazerem felizes outros leitores.
    Libertar um livro ao vento, como dizemos, é uma sensação tão boa, mas tão boa... que só vivenciando isso se consegue perceber/explicar.
    :-)

    ResponderEliminar
  3. "Viver para aprender" esta ainda não aprendi mas não digo nunca, digo somente que para já me custa a" entrar nessa" :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que me aborrece nos Bookrings é a falta de respeito de muitas pessoas pelos outros e já tive várias pegas com outros bookcrossers que não pensam como eu. Refiro-me à falta de cumprimento dos prazos. Quem põe um livro a circular indica as condições, entre as quais costuma ser a fixação de um mês para cada um ler, comentar e passar o livro ao seguinte. Parece-me um prazo razoável e que satisfaz a ansiedade dos que estão ansiosos para também ler o livro. Mas muitos chegam a ter o livro na sua posse até um ano ou mais e as expetativas das pessoas saem frustradas. Foi isso que me levou a deixar de fazer os muitos rings que fiz noutros tempos.
      Ultimamente, não tenho sido muito assíduo no Bookcrossing por falta de tempo, mas continuo a adorar o conceito.

      Eliminar
    2. Obrigado pela visita e testemunho! Todas as opiniões e experiências são importantes como fonte de esclarecimento.

      Eliminar
  4. Excelente artigo, parabéns!
    E, obrigado por promoveres o BC em nome de todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este blogue existe para se falar de tudo o que pode estar relacionado com a literatura.
      Grato pela visita.

      Eliminar
  5. O Bookcrossing implica um bocadinho de trabalho e controle, se queremos que as coisas funcionem bem.
    Pegando no comentário do vibarao, a falta de cumprimento dos prazos de leitura, seja nos BookRing's ou nos BookRay's (estou a utilizar estes termos porque explico no artigo o que significam...) é desagradável e confesso que eu própria também já tenho "prevaricado" mas se a pessoa que organiza (o dono do livro) estiver atenta, quando verifica que determinado bookcrosser está a demorar mais do que devia, uma PM (PM = mensagem pessoal pelo sistema de mensagens do BookCrossing) a chamar a atenção para isso é a solução.
    Eu sou pouco organizada e já me aconteceu dar conta que tinha emprestado um livro que já estava há um ano na posse da outra pessoa.
    Mas ainda bem que isso aconteceu porque, se não fosse esse atraso, não teria oportunidade de conhecer essa pessoa de quem hoje sou muito amiga.
    É que ela veio de propósito a Alenquer para se redimir pessoalmente e entregar-me o livro em mão...
    Claro que não seria necessário chegar a tanto mas quando as pessoas são honestas e corretas tudo funciona bem.
    E ninguém tem que levar a mal quando recebe no mail uma PM a perguntar:
    - Tens o livro x desde dd/mm/aaaa, ainda demoras muito a lê-lo para passares ao seguinte da lista?
    Falando por mim, não fico nada aborrecida e resolvo o assunto sem qualquer problema.
    :-)

    ResponderEliminar
  6. Obrigada, Jó Andrade, pela parte que me toca.
    E já agora, obrigada também ao Emanuel por me ter desafiado a escrever sobre o BookCrossing, mesmo não sabendo muito bem do que se tratava.
    :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria Eugénia! Todos os assuntos relacionados com a literatura têm espaço aqui no blogue e nada melhor que ter quem sabe das coisas, a falar delas. Acho que ficamos todos a ganhar!

      Eliminar
  7. O Bookcrossing é um mundo de experiências...
    Inscrevi-me em Setembro de 2007 e todos os dias ia ao fórum português, partilhar informações e lançar ring´s para que outras pessoas possam também usufruir do prazer de ler outros livros. Já poupei imenso com a troca de livros e fiquei, concerteza, mais rica com a sua leitura.
    Conheci, virtualmente e na realidade, pessoas impecáveis com as quais ainda tenho algum tipo de ligação.
    Foi através deste fórum que fui convidada para participar no excelente projeto "Heróis à moda de Lisboa". Experiência única!
    Hoje em dia vou ao fórum uma vez por semana, pois a minha vida já não me deixa mais tempo.
    No início ainda pensei muito na questão de emprestar livros, pois considerava-os como pequenos tesourinhos. Acabei por libertar um, depois foi um atrás de outro...
    Ganhei mais em emprestá-los do que em deixá-los nas estantes!
    Perdi alguns pelo caminho mas ganhei cultura, histórias, personagens e principalmente apetência para escrever...
    Descobri em mim uma nova paixão e algo que considerava nunca ser possível!
    Recomendo a toda a gente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Liliana! Obrigado pela visita e testemunho!

      Eliminar
  8. De facto, o BookCrossing é um mundo de experiências, não apenas de leitura e espirito de partilha mas também de amizade e até de solidariedade.
    E essa amizade e solidariedade não reina apenas entre os portugueses, salta muitas vezes as fronteiras.
    É com todo o respeito que vou relatar resumidamente o que aconteceu no inicio de 2009.
    Uma bookcrosser de 26 anos (a quem dediquei o meu 2º.livro, depois) sofria de uma doença grave e precisava com urgência de um transplante de coração.
    Ficou internada em Dezembro de 2008 e a situação agravava-se dia a dia.
    Primeiro as noticias sobre o seu estado apenas apareciam no fórum português mas rapidamente chegou aos outros fóruns.
    Como sinal de solidariedade e apoio, combinou-se colocar um coração de cada lado dos nossos nick names.
    No inicio de 2009, para nosso espanto, verificámos que também o Fórum alemão se encheu de corações.
    Fomos ver e o francês também se estava a encher de corações e tinha até um tradutor que ía traduzindo para francês as noticias sobre a bookcrosser portuguesa.
    Também no espanhol se fazia referência, assim como no italiano, no da escandinávia... e em todos os outros!
    No blogue que foi criado para acompanhanhamento do seu estado e para lhe dar apoio também se verificava que já não era só o BookCrossing de Portugal que "torciam" por ela.
    Durante o período em que o seu estado infelizmente se foi agravando até que em 27 de Março de 2009 acabou por falecer, só nesse blogue foram deixadas cerca de 1500 mensagens, literalmente de TODOS OS PAISES.
    Ela deixou esta mensagem de agradecimento a todos, escrita 3 meses antes, para ser publicada se e quando acontecesse a sua partida.
    Este seu gesto impressionou-me e continuará a impressionar-me.
    Numa altura em que uma pessoa comum se preocuparia apenas com ela própria, ela preocupou-se com os outros e até com os animais.
    Foi esse o seu ultimo pedido, que se lute pelas pessoas e pelos animais... que se lute por este mundo!
    Nunca a conheci pessoalmente (conheci mais tarde a mãe, o irmão e a sua melhor amiga) e lamento isso profundamente.
    Como eu gostaria de ter estado mais perto de uma pessoa como ela!
    Mas, mesmo não a conhecendo, nunca a esquecerei porque ela fez de mim uma pessoa mais atenta, uma pessoa mais humana.

    E também é isto o BookCrossing, como a Liliana diz "um mundo de experiências", umas boas, outras que nos fazem meditar e outras absolutamente inesquecíveis e marcantes, como esta.

    ResponderEliminar
  9. Sou membro desde 2005 e embora nestes dois anos tenha estado mais ausente posso garantir que para além de um acesso facilitado pelos outros membros a muitas edições que por vezes se encontram esgotadas, existem um outro mundo para além de um livro. Fazem-se amizades, constrói-se pontes em vez de muros, uma comunidade de bons faladores e de opiniões com conteúdo. Para além disso tem sempre um forum onde podem falar sobre projectos, receitas enfim tudo mesmo.
    Experimentem... e usufruam, os medos são pessoais mas no bookcrossing são ao mesmo tempo colectivos.
    beijinhos Sininhu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mavi! Obrigado pela visita e partilha de experiência.

      Eliminar
  10. Obrigada, Mavi/Sininhu, pelo teu comentário.
    :-)
    Como podem verificar, todos nós temos os nossos medos mas quando esses medos são comuns acabam por ser encarados como o provérbio "não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti".
    E isso, aliado à amizade, às tais "pontes" a que a Mavi se refere, faz co que se perca o medo de perdemos os nossos "tesourinhos" (os nossos livros).
    Mas, claro, não há nada melhor do que experimentar para verificar por si mesmo.
    :-)

    ResponderEliminar
  11. Olá,
    Tal como a Liliana Guerreiro, para mim, o Bookcrossing é um mundo de experiências A oportunidade de conhecer novos autores, a capacidade de separar-me dos meus livros e as amizades que fiz.
    Neste momento, estou afastada, pois tenho entre mãos outros projectos que me ocupam bastante, deixando muito pouco tempo para leituras mais assíduas.
    De qualquer modo, continuo a recomendar aos amantes dos livros, que é sempre uma nova forma de conhecermos novos autores e uma forma muito mais económica de lermos.
    Boas Leituras :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana! Obrigado pela visita e testemunho!

      Eliminar

Toca a falar disso