segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

OPINIÃO SOBRE O ROMANCE "OS QUATROS ELEMENTOS"

Imagina-se um reino com castelo, família real, conselheiros, exército, camponeses, aldeias, florestas e santuários. Mistifica-se uma lenda que rege todo um império. Criam-se múltiplas personagens com caracteres muito próprios e diferentes ambições. Inventa-se um enredo e algumas aventuras. Junta-se a sempre eterna história de amor impossível.

Dá-se corpo a um personagem principal credível, com algumas qualidades, mas também defeitos, resultantes da sua história de vida. Enfeita-se o seu temperamento com laivos de obstinação nuns casos, descrença e conformismo noutros e muita teimosia. Instiga-se uma paixão que vai contra os preceitos sociais tão característicos de uma monarquia. E por fim leva-se o inesperado herói a viver uma série de peripécias, a experimentar novas sensações enfrentando os seus medos e descobrindo novas qualidades.

Dá-se vida a um vilão ambicioso e cruel que se transforma num rival de morte do herói e que tenta, por todos os meios ao seu alcance, humanos e místicos, destruí-lo na sua demanda; com uma perseverança quase inabalável e desprezo total pelos valores humanos essenciais.

Adiciona-se o aparecimento de diversas divindades e seres do submundo que, colocados em extremos opostos e com mais ou menos influência, vão ajudando ou complicando as acções dos rivais.

Cria-se, em ambos os lados do conflito de interesses, um núcleo de outras personagens que servem de suporte a todo o enredo e dão ao leitor a possibilidade de viver outras histórias dentro da história principal.

Relatam-se, com grande riqueza descritiva, algumas viagens ao longo de todo o reino, encontros e desencontros, choques de personalidade influenciados pelas diferentes formas de pensar e agir dos distintos personagens e descrevem-se inúmeras batalhas; tanto intelectuais como físicas.

Vão-se descobrindo interesses ocultos, verdades camufladas e ambições escondidas. Os personagens aprendem e finalmente compreendem o quanto evoluíram ao longo das aventuras que viveram. E dá-se o desenlace de toda a trama com algumas surpresas, tanto para os personagens como para os leitores.

Tudo isto colocado sob as mesmas páginas de um livro tem como resultado final um bom romance de fantasia e fantástico.

Dito desta forma tão simplista, até parece tarefa fácil escrever este género literário que, 
como muitos saberão, não é propriamente aquele que mais me atrai enquanto leitor.

Ao contrário do que é dedutível pelo parágrafos anteriores, escrever um romance desta natureza implica muito mais. Não basta ter-se uma imaginação fértil. É necessário muito método, rigor, coerência e, quanto a mim um ingrediente fundamental, muita paixão pelo acto criativo.

E aqui chegados tenho de falar sobre o criador desta história: Rob Max Willyam, brasileiro de berço, nascido em S. Paulo - alentejano adoptivo, residente em Portalegre.

Tenho de falar do autor porque foi através de uma longa conversa que tive com ele durante um final de tarde e que se prolongou no tempo até perto das onze da noite de um Sábado, que fiquei a conhecer um dos autores mais apaixonados pela sua arte que alguma vez vi.

A paixão pela escrita e, consequentemente, pelas histórias que elabora é tão intensa que, não cometerei nenhuma imprecisão ao dizer isto, ele chega a viver com o mesmo entusiasmo e a sentir as mesmas emoções que cada um dos seus personagens ao longo das narrativas que cria. Mais... a ligação é de tal ordem que ele - o autor - consegue descrever o perfil psicológico e relatar, com precisão cronológica, a evolução mental que cada um dos personagens sofre ao longo do livro, numa simples conversa de café, como se estivesse a falar de pessoas reais que ocupam lugar importante na sua vida.      

Se esta ligação embrionária que o autor tem, com todo o elenco das histórias que escreve, não bastasse para surpreender, descobri também a forma metódica, precisa e elaborada até ao mais ínfimo detalhe que ele utiliza ao longo de todo o processo criativo. E para provar o que digo mencionarei apenas que na cabeça do autor já estão elaborados pormenorizadamente todos os elementos criativos e estilísticos que farão parte dos dois volumes que completarão aquilo que ele pretende desde o início: uma trilogia.

Esse cuidado estrutural que o autor faz questão de seguir, sem desvios, pude confirmá-lo ao confrontar as suas palavras com aquilo que verifiquei ao ler o seu livro. Cada uma das personagens tem características muito próprias que, para além de serem de uma coerência minuciosa, dão um tremendo cunho de humanidade e servem para criar empatias e desconfortos ao leitor quando confrontado com esses mesmos personagens. Desta forma, para mim surpreendente e engenhosa, o autor consegue incutir no romance uma grande dose de realidade, acabando por transformar todo o livro numa metáfora sobre a vida e na qual, com mais ou menos intensidade, cada um de nós, leitores, pode facilmente rever-se e identificar.

Se a esse rigor estrutural juntarmos um cunho muito personalizado na hora de desenvolver os diálogos - elementos imprescindíveis desta narrativa – com um cariz sentenciador e quase moralista, acabamos por descobrir que, para além de criativo, o autor consegue demonstrar alguma originalidade no modo como aborda temáticas contemporâneas e as incorpora de forma perfeita numa realidade ficcional e, por inerência, fantasiosa.   

Para terminar e reforçando a ideia que este género de escrita não é aquele que mais me cativa, sempre adianto que, na minha interpretação leiga deste romance, a história e, principalmente, o autor têm pernas para andar e continuar a transformar o sonho em realidade. Assim o permitam as circunstâncias e a aceitação por parte dos leitores.

Para ler - OS QUATRO ELEMENTOS de ROB MAX WILLYAM - EDITORA UNIVERSUS

MANU DIXIT



sábado, 21 de dezembro de 2013

EU FALO DE... UM SERÃO DE POESIA

Para não ser acusado de apenas escrever sobre as coisas más que acontecem nos eventos literários, hoje vou falar-vos um pouco sobre o fim de noite do passado dia 19 no bar INDA A NOITE É UMA CRIANÇA. Para quem não sabe, este bar situa-se no número 8 da Praça das Flores, na freguesia das Mercês, entre o Parlamento e o Jardim do Príncipe Real, em pleno centro de Lisboa.

Embora já tivesse ouvido falar dos serões de poesia que aí fazem todas as quintas-feiras, esta foi a minha primeira visita a este espaço, a convite do poeta e amigo Alexandre Carvalho. Quase em simultâneo com a minha entrada, cerca das 21.30, surgiram mais alguns poetas, entre os quais alguns que conheci pessoalmente há menos de um mês em eventos realizados ali perto, no Centro Cultural do Século.

Feitas as apresentações e os cumprimentos da praxe e colocada alguma ordem na sala, diga-se, bem acolhedora, a anfitriã Carmen Filomena deu início à sessão lendo um poema de António Gedeão, numa alusão à época festiva que atravessamos.

Perante o acanhamento inicial, que normalmente existe neste género de eventos, coube-me a mim a segunda intervenção na qual li alguns inéditos meus. Quebrado o gelo, seguiram-se as leituras dos outros poetas presentes entre os quais e a saber: Alexandre Carvalho, Fernando Jorge Benevides, Nuno Garcia, Jorge Ferreira e Mariete Lisboa Guerra.

Também presente na sala estava a poetisa Mariana Loureiro que delegou, a mim e ao poeta Alexandre Carvalho, a leitura de alguns poemas seus que estão na recém-editada colectânea Essência dos sentidos II.

Para além dos poetas que acabei de mencionar, também marcaram presença mais alguns autores, que não conheço e foram chegando ao longo da sessão, e algumas pessoas que apareceram pelo simples gosto de ouvir poesia.

Intercalando as intervenções, um a um, todos tiveram a oportunidade de ler vários poemas da sua autoria e escutar as sensibilidades dos restantes poetas, numa sessão que correu fluída e com vários temas abordados.

Quase sem se dar por isso, o tempo voou e já passava da uma da manhã quando saí e comigo trouxe a certeza que este tinha sido o primeiro de muitos serões de poesia.


MANU DIXIT

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

VAMOS FALAR DISSO... MARTA TEIXEIRA PINTO

Desde a primeira hora, este espaço tem-se disponibilizado para dar voz a outros autores. Deste modo, é com muita honra que hoje vos trazemos um texto da escritora MARTA TEIXEIRA PINTO, em que a autora faz a reflexão sobre as suas experiências, um ano após o lançamento do seu livro PORTAS MÁGICAS


Um ano de «Portas Mágicas»

Antes de iniciar esta reflexão talvez seja importante esclarecer que quando assumo um compromisso levo-o até ao fim, esforço-me até ao limite e entrego-me a cem por cento. Para mim, no que se refere a compromissos, sejam eles grandes ou pequenos, não há meias-palavras nem meias-medidas. Ou é ou não é. Ou sim ou não. Posto isto, quando há cerca de um ano a Editora UNIVERSUS se interessou pelo meu livro, «Portas Mágicas», e eu tomei a decisão de avançar para a publicação, fi-lo com consciência, depois ter ponderado todas as implicações que isso teria. Quando decidi embarcar nesta aventura, não o fiz para poder acrescentar uma publicação ao meu CV, para poder apregoar que tinha um livro publicado, ou para deixar os trezentos exemplares correspondentes à sua edição a «apanhar pó» nas prateleiras do armazém da editora. Quando decidi embarcar nesta aventura, fi-lo porque queria que as pessoas lessem o meu livro, que vivessem a magia que eu vivi ao escrevê-lo e, sobretudo, que se sentissem inspiradas a abrir as suas próprias portas mágicas. Com este intuito, vesti roupas de viagem, abasteci-me de doses generosas de otimismo, coragem, determinação e persistência, coloquei a mochila às costas e preparei-me para cumprir esta demanda. Como Sara, a protagonista do meu livro, após um breve momento de hesitação, inspirei profundamente, dei o primeiro passo e fiz-me ao pó da estrada.

A primeira paragem que fiz foi no NEYA Lisboa Hotel, na tarde de 15 de dezembro de 2012, o dia do lançamento de «Portas Mágicas». Lembro-me de ter olhado para a sala então deserta e de ter comentado com Maria José Lacerda, «Penso que não temos cadeiras suficientes». Certamente com medo que eu ficasse desiludida e numa tentativa de me ajudar a ajustar as minhas expectativas, Maria José respondeu: «Acha, Marta? Eu gosto da sala assim. Está mais composta…». Continuo a pensar que não temos cadeiras suficientes, disse para comigo, mas anuí com a cabeça, disposta a deixar que o próprio tempo fizesse um argumento a meu favor. E assim foi. Passada meia hora, o gerente do NEYA e vários funcionários tiveram de acrescentar duas ou três filas de cadeiras à sala e de complementar as que já existiam e, mesmo assim, houve muitas pessoas que ficaram de pé. Ao olhar para os rostos que me fixavam, não pude deixar de me sentir maravilhada, pois ali, diante de mim, estavam pessoas de quase todos os meus percursos de vida. Familiares e amigos. Amigos de familiares e familiares de amigos. Amigos de infância e amigos recentes. Amigos de escola e amigos de faculdade. Amigos de perto e amigos de longe. Amigas do ginásio e amigos de trabalho. E, claro, todos os que eu ainda não conhecia e em relação aos quais criei imediatamente a expectativa de poderem vir a ser futuros amigos. Sentada a meu lado, a minha grande amiga Céu Seabra apresentou-me de forma terna e comovente. Cento e quinze exemplares vendidos. E eu num limbo, num espaço e num tempo alternativos. E eu a escrever autógrafos e a esquecer-me de colocar a data. E eu a rabiscar palavras sobejamente conhecidas como que pela primeira vez, com letras a mais ou a menos, num frenesim de principiante. Não podes esperar acertar em tudo à primeira, disse a minha voz interior e, com um encolher de ombros complacente, concordei. No final, uns miminhos doces para agradecer a presença de todos: um bolo alusivo ao livro criado pela minha grande amiga Susana Furtado, e miniaturas de coco e chocolate feitas pela minha mãe. Chegadas as 18h00, tivemos de passar a sessão de autógrafos, as conversas e os bolinhos para a receção do hotel, e já passava das 20h00 quando saí para rua e aspirei o ar da noite. Cumprida esta primeira missão, sorri e retomei a minha caminhada.

Segunda paragem: Livraria Adrião em Mangualde, no dia 23 de março de 2013. Espaço acolhedor, com cem lugares sentados, criado especialmente para receber autores e convidados em lançamentos ou apresentações de livros. Nesse dia, as montras e as prateleiras estavam adornadas com cartazes e exemplares de «Portas Mágicas», apenas uma das muitas amabilidades do Sr. Henrique Silva, da esposa, dos filhos e dos restantes funcionários. Menos gente, mas sala cheia. Muitos familiares e amigos da terra, e os apoiantes de sempre (os meus pais, a minha sobrinha, os meus sogros, a minha amiga Susana, o meu marido e a minha filha). O meu marido, António Ferreira, apresentou-me com a voz embargada por um misto de orgulho e felicidade pelo facto de estarmos a fazer a primeira apresentação do livro na sua cidade. Seguiram-se perguntas interessantes e um debate animado. Contou-se ainda com a presença do Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Mangualde, João Lopes, que dirigiu algumas palavras à assistência, e de Artur Santos do jornal «O Zurara» que, na edição de abril de 2013, publicou uma reportagem sobre o evento. Vinte e sete exemplares vendidos e, desta vez, autógrafos com data, palavras bem escritas e texto coerente. No final, a hospitalidade da Beira Alta patente numa mesa posta com as delícias da terra, na qual não podiam faltar os tradicionais pastéis de feijão (ou «feijões»). Em lugar de destaque, mais um bolo alusivo ao livro, da autoria de Susana Furtado. Depois, festa em casa dos meus sogros para quem quis acompanhar-nos e partilhar mais iguarias, gargalhadas e conversas até às primeiras horas do dia seguinte. Preparada para seguir viagem, coloquei novamente a mochila às costas e parti.

Terceira paragem: Escola Secundária da Lourinhã, a 23 abril de 2013, Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor. As receção e apresentação calorosas foram feitas pelas minhas grandes amigas Brigitte Carvalho e Filipa Silva, que na altura eram professoras estagiárias de Inglês e de Espanhol nesta escola. Auditório (literalmente!) cheio de jovens, alguns dos quais tiveram a coragem de colocar questões e promover um debate. Seguiu-se a atribuição de prémios aos vencedores do concurso de escrita «Portas Mágicas», para o qual eu selecionei dois parágrafos do livro que os alunos tiveram de completar com as suas próprias criações (em inglês ou em espanhol). Muito interessante. Sete exemplares vendidos a professoras e à biblioteca da escola (um empate com Daniel Sampaio, assim me disseram). Autógrafos com datas, palavras bem escritas e texto coerente. Sou quase uma profissional do autógrafo!, pensei, enquanto retomava a minha viagem.

Quarta paragem: Livraria CWorld em Pinhal Novo, no dia 11 de maio de 2013. Vizinhos e amigos de Pinhal Novo e arredores, e a claque do costume (os meus pais, a minha amiga Júlia, o meu marido e a minha filha). Cadeiras dispostas para receber os convidados, cartazes de «Portas Mágicas» pendurados do teto e colados na parede, marcadores de livros «Portas Mágicas» em cima da mesa elegantemente adornada com tons e texturas alusivas ao livro, e montra de livros da Editora UNIVERSUS a separar o espaço de livraria do centro de cópias, criando assim um ambiente intimista e acolhedor. Foram estas algumas das gentilezas facultadas pelo Sr. Correia e pela D. Paula, os donos deste vasto estabelecimento. Sentada a meu lado, a minha grande amiga Rita Freitas apresentou-me com o seu «ABC da Marta Teixeira Pinto» que a todos fez rir. Contou-se ainda com a presença de uma jornalista do «Jornal do Pinhal Novo» que, no dia 14 de maio de 2013, publicou uma pequena reportagem publicitária sobre o evento. Nove exemplares vendidos. Autógrafos fluentes. Já domino isto, disse para comigo e parti.

Quinta paragem: Galeria Municipal de Mourão, no dia 24 de maio de 2013, no âmbito da Feira Popular e Cultural de Maio da vila que inspirou a do meu livro. Sem dúvida o evento mais difícil deste primeiro ano de demanda. Porquê? Foi em estado de quase-pânico que, na manhã da apresentação, me vi sem uma representante da editora e, pior ainda, sem livros para levar comigo. Muito mais tarde, já a caminho de Mourão e com livros na mala, surgiu um problema com o carro e fui obrigada a fazer uma paragem para resolvê-lo. Não há palavras para descrever o horror e a mortificação que senti quando, à medida que as preciosas areias do tempo se escoavam, me apercebi que chegaria com um atraso (ainda que ligeiro) à apresentação do meu próprio livro. Há dias assim, disse para comigo. De nada me valia desperdiçar energia a lamentar-me pelas circunstâncias que me tinham colocado naquela situação. O que tinha de fazer era avisar o organizador do evento, o então Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Mourão, Manuel Carrilho, e os familiares e amigos que me esperavam. Quando peguei no telemóvel, as minhas mãos tremiam ligeiramente e senti a ausência do meu marido e da minha filha como uma ferida aberta no peito. Necessitei de quase toda a coragem que trazia na bagagem para admitir um atraso que era completamente alheio à minha vontade e aos meus esforços e para pedir desculpa por uma sequência de acontecimentos da qual eu não tinha a menor culpa, mas fi-lo. Foi graças ao apoio dos meus familiares e amigos (os que me acompanharam na viagem e os que me esperavam em Mourão) e às inexcedíveis compreensão e simpatia de todos os envolvidos na organização do evento e da assistência em geral que, no final desse dia, pude dizer, «tudo está bem quando acaba bem». E acabou realmente bem! «Portas Mágicas» teve a oportunidade de partilhar o espaço da Galeria Municipal com a Primeira Bienal do Mediterrâneo; a minha tia, Rosa Malhado, fez uma apresentação emocionante (e completamente parcial!) da minha pessoa; e a Câmara Municipal organizou e serviu um Porto de Honra acompanhado pelas doces iguarias da terra que desempenhou um papel tão importante na minha infância, entre as quais estava a minha preferida, o chamado «bolo podre» (uma delícia de mel, azeite e canela que de podre só tem o nome). Onze exemplares vendidos. Muitas fotos tiradas com pessoas simpáticas, entre as quais o então Presidente da Câmara Municipal de Mourão, José Lopes, e a atual Presidente, Maria Clara Safara. Seguiram-se longas conversas com quem escolheu ficar até ao fecho, uma passagem fugaz pela casa que inspirou a da avó Helena de «Portas Mágicas», um jantar tardio com família e amigos num restaurante típico, e uma viagem de regresso iluminada pelo luar das primeiras horas da madrugada. Mais uma missão cumprida. Ajustando as alças da mochila, regressei ao trilho.

Sexta paragem: entrega de um exemplar de «Portas Mágicas», oferecido pela Editora UNIVERSUS, ao Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, João Azevedo, no dia 27 de agosto de 2013. Acompanhada pelo meu marido, participei numa muito agradável conversa a três, numa pequena e acolhedora sala do elegante edifício da Câmara Municipal. Mais um livro, mais um autógrafo, mais fotografias.

Nova paragem, novo desafio. No final do mês de outubro de 2013, recebi um telefonema de Maria José Lacerda que me disse que a primeira edição do livro estava esgotada e que seria preciso fazer-se uma segunda edição para satisfazer os pedidos pendentes (Porto Editora, Leya, agrupamento de escolas de Seia, entre outros). «Parabéns, Marta! O seu é o primeiro livro da editora a fazer uma segunda edição», congratulou-me Susana Maurício, pelo telefone, antes de discutirmos as várias sugestões para a nova capa. Depois de duas semanas de trabalho intenso, realizado em parceria com Hugo Souto e Susana Maurício, o miolo e a capa ficaram prontos e «Portas Mágicas» encontra-se neste momento na gráfica, a aguardar a sua vez para ser reimpresso.

No dia 15 de dezembro de 2013, volvido um ano desde o começo desta minha grande aventura e cansada da longa caminhada, parei na beira do trilho, sentei-me sobre o tronco de uma árvore caída, pousei a mochila quase vazia e refleti. Olhei para trás, para os medos e para as dúvidas enfrentados e vencidos, para as aprendizagens que fiz e para as pessoas que conheci, para as oportunidades que aproveitei e para as que perdi, e sorri. Pelo caminho tinham ficado trezentos exemplares de «Portas Mágicas», a totalidade da primeira edição, ao cuidado de pessoas que eu esperava poderem prestar-lhe a maior homenagem que se pode fazer a um livro, que é lê-lo. Pelo caminho tinham ficado muitas palavras de encorajamento e muitas garantias de que o livro que eu escrevera há quase vinte anos continuava a abrir portas mágicas a quem o lia. O balanço era muito positivo e, se eu não fosse uma pessoa incorrigivelmente otimista, diria até que era surpreendente. Assim sendo, não podia dizer que estivesse surpreendida, apenas maravilhada e desejosa de retomar a minha viagem. Olhei para o trilho que me faltava percorrer e que, simultaneamente sombrio e luminoso, encerrava a promessa de mais uma grande aventura. Inspirei o ar doce e fresco, levantei-me, sacudi o pó da estrada e reabasteci-me de doses generosas de otimismo, coragem, determinação e persistência. O caminho é para a frente, pensei. E dei o primeiro passo.


segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

EU FALO DE... COMPORTAMENTOS

Correndo o risco de me tornar repetitivo e assumindo essa condição como uma certeza quase adquirida, vejo-me obrigado a voltar a escrever sobre uma situação que, infelizmente e para desgosto de quem ama a cultura e os eventos culturais, parece ter-se instalado nos hábitos comportamentais das pessoas. 

Invariavelmente e à falta de melhor argumentação, tenho de repisar a ideia que a tão propalada crise, mais que económica e financeira, está na falta de valores morais, de carácter e, nos tempos mais recentes, de saber estar em sociedade, com tudo o que isso implica.

Apesar da minha condição de apologista da quebra dos preconceitos rígidos e castradores que a sociedade sempre nos tenta impingir, tenho a noção que existem e devem continuar a existir algumas regras, mais não seja, para um funcionamento social saudável.

Eu, enquanto cidadão e sem prescindir dos direitos inerentes à minha condição de individuo, não posso esquecer que sou parte de um todo. E esta ideia não deve nem pode ser exclusividade do meu pensamento.

Sem falsos moralismos, porque a perfeição é uma utopia e, como todos os conceitos, cada um de nós se define de forma diversa, é com tristeza que verifico o quanto o culto do individualismo se tem tornado importante para muita gente e que esse exacerbar do EU começa a estar de mãos dadas com a falta de respeito para com os outros.

Os parágrafos anteriores servem de nota introdutória para o relato de alguns acontecimentos que testemunhei no último evento literário em que marquei presença e que, como disse anteriormente, parecem começar a fazer parte dos hábitos comportamentais das pessoas.

Em primeiro lugar e único facto que menciono com exactidão cronológica, já são poucos aqueles que estranham o retardar do começo dos eventos. Creio não estar a cometer nenhuma heresia se disser que julgo nunca ter estado num evento literário que tenha começado à hora marcada. Existe sempre uma qualquer razão para adiar mais uns minutos o começo das sessões. Não querendo aliviar ou aligeirar este tipo de situações recorrentes, porque os maus hábitos são de evitar, sempre digo que o facto de se tratar da apresentação de uma antologia com autores de vários pontos do país e, inclusive, do Brasil, acarreta alguns problemas de logística que, quer se queira ou não, dificilmente conseguem ser contornados, nomeadamente a afluência de amigos e familiares de muitos autores. Neste particular não posso calar o meu desconforto ao verificar que são os próprios autores, quais noivas ciosas dos protocolos, os culpados pelo atraso do início do evento por, imagine-se, chegarem mais tarde do que os seus “convidados”. Talvez a melhor solução seja aceitar apenas autores do outro lado do Atlântico, uma vez que a representante brasileira foi das poucas pessoas que chegaram antes da hora prevista, tendo vindo de propósito para este evento. Adiante.

Menos aceitável ainda e para mim bem mais chocante é o carácter hipócrita e a falta de respeito que alguns autores evidenciam com cada vez maior regularidade. Aceito a existência de pessoas que, ao ver os seus trabalhos em antologias ou colectâneas, se sintam dominados por sentimentos de extrema realização e, por que não dizê-lo, uma ponta de vaidade. Até acho isso natural. O que eu jamais posso aceitar é que esse deslumbramento seja manifestado de forma tão desrespeitosa como aconteceu no último Domingo. Não serei o único a sentir alguma repulsa pelo comportamento daqueles que, até ao momento de serem homenageados no mais puro silêncio e respeito por parte dos outros autores, mantiveram a seriedade mas não foram capazes de retribuir, nas mesmas condições, quando eram os outros a receber o mesmo tratamento, ora com conversa sussurrada, ora com abandonos e regressos constantes à sala onde decorria o evento. A falta de respeito tomou dimensões tais que um dos autores, Fernando Jorge Benevides, na hora de ler um dos seus trabalhos, teve de reiniciar a leitura três vezes devido ao barulho das conversas na sala.

No entanto, pasme-se, o ponto alto da falta de educação e respeito aconteceu no momento em que duas jovens, com um talento imenso, se preparavam para mais um número musical e foram brindadas com a debandada quase geral da assistência. Motivo... “fumar um cigarrinho e beber um café porque a sessão já vai longa”, como me sussurrou ao ouvido um dos tão pontuais autores.

Posso até concordar com quem disser que algumas destas situações podem ser evitadas pelos organizadores dos eventos e, neste particular, reservo as minhas sugestões para uma conversa, para a qual desde já me disponibilizo, a ter com a representante da editora, caso seja esse o seu entendimento, e aqui sinto-me em perfeitas condições e com o distanciamento suficiente para emitir as minhas opiniões porque não faço parte dos autores antologiados nem sequer sou autor desta editora; se o fosse a minha reacção seria bem mais enérgica. 

No fundo, e regressando com o fio à meada, aquilo a que assisti é demasiado mau para que as culpas sejam atribuídas única e exclusivamente à editora. Aquilo que se pretendia como uma festa de poesia e de poetas acabou, independente de alguns momentos belos e emotivos, por se transformar numa feira de vaidades onde, sem qualquer ponta de civismo, se passearam bastantes egos exacerbados num desfile de hipocrisia, má conduta e falta de educação.

Sim, meus amigos, estamos em crise. Mas é uma crise de valores morais e de saber estar em sociedade.

MANU DIXIT 





quinta-feira, 7 de novembro de 2013

FALA AÍ BRASIL... FLÁVIO MORGADO

Mais uma vez o poeta Flávio Morgado honra-nos com a sua presença neste espaço. Fala aí poeta...
Não precisa dizer também

Pensa o leitor. Não pode ele, nem em cartas que escreve ao autor do artigo, dizer, em compaixão: “Eu também!”. Deixa sentir-se incapaz de ser ouvido. Como se pode chorar à frente de um quadro de Van Gogh com nossos girassóis que o pobre holandês jamais regou. E regou. Deixa ele se entender, como em qualquer texto, que pensara ser escrito a ele, ali, naquele momento. Contra-assine o amor. Em silêncio. Não precisamos dizer também. Vim antes de sua resposta.
Porque vim antes e me desesperei com seu atraso. E tendo vindo antes, vi-me eu menino acreditando nos livrinhos que a tia me ofertava por ouvir quieto o conto de Crusoé. E por isso gostei de ter com as palavras. E fui buscar nos primeiros versos lidos o amor que se aprende e se repete. Pra aprender a sofrer e escrever a você que tardava. E olhava da janela de meu quarto alto o ponto futuro de que falava Rimbaud; pra chegar antes e lhe avisar do estado de cada coisa; e aprender antes os versinhos para oferecer seu primeiro poema. Não pude esperar demais. Os outros também podiam a esperar.
Porque andei com meus fantasmas pela rua como se o mundo se soubesse de sobreaviso, e da sua sacada você me via gesticulando sozinho e dizia: “O poeta, mãe!”. E ouvi atento o que dizia e me senti lúcido. E compartilhava com outras vozes antes de mim a espera. Fiz-me contemporâneo de outros tempos e jamais estive só. E eles sorriram me afagando os ombros quando você dobrou sua esquina de aguardo e angústia.
Vim antes para habitar meu vazio. E então pudesse recompor meu carinho, querida. E me ensinar a usar o termo “dúctil” em poesia. E me reconhecer ansioso. E a amá-la desconhecida e ver crescê-la. Até perder a fé na unidade e ter a paz no conflito. A me obrigar a ser o outro. A desacreditar e achar benção sua presença (in)esperada. A encenar em mim sua espera. A chegar antes, em meu nada, e reconhecer que à luz da ausência, todo sapato já fora calçado.
Porque treinei amor. E me senti estrangeiro em cada perna que entrava pra sentir o corpo e saber dar. Porque não neguei uma rosa entregue sequer, mesmo ouvindo engano. Porque cheguei a dormir à porta da amada errada que me cobriu a testa de beijos piedosos num segredo de vocês duas (e todas as outras!). E no dia que fui ao seu encontro, todas elas me arrumaram a roupa, pentearam meu cabelo e disseram: “Faz tudo de novo!”. Porque deixei minha armadura na porta ao entrar na sua casa e deixei me sangrar de passado.
Porque não burilava ainda os meus versos e não me queria poeta como os outros, fez-me esconder sua ausência na página em branco como recurso. Acharam estilo. E você riu a me ver gago declamando, pois sabia de cor os versos da lacuna. E me fez falar aos surdos como se precisasse não me deslumbrar para que pudesse ser sua a voz que me diria que as luzes são mais sinceras no escuro. E maldisse toda crítica ao meu segundo lugar. E quis oferecer jantares aos que me elegiam.
Porque investiguei suas fotos e vi que amava James Dean. Comprei um quadro dele e pus na parede bem à altura de seus olhos. Comprei uma jaqueta e fiz uma foto fumando. Desarrumei estrategicamente meus livros ao seu olhar perspicaz. E, antes, li Drummond em três dias para citar um verso “como quem não quer nada”. E deixei a barba crescer, e desenhei falhas nela como a do galã de cinema que gosta. E planejei uma leitura nua de Vinícius. E estive nu diante de mim mesmo. Porque você me tirou de contexto - “antes, e com tal zelo, e tanto.”
Porque a angústia aguarda a cada homem, como cada coisa está para a outra. E foi minha pré-palavra. E abraçou a outros enquanto me via de soslaio, para eu acreditar que era surpresa. E tornar o amor à prova como se não soubesse o antes. Pra erguê-la como solução. Como quem fura os olhos do pássaro para o pobre cantar melhor. E seguimos a embaralhar nosso encontro.
Porque vim antes e tive que resguardar as palavras na presença de sua evocação. E porque ninguém acreditou nela e riu indiferente, disse que verdade mesmo era inventar-se a si próprio – e lhe compus. E dei ao silêncio tudo quando estamos fora de nós. Contei historinha antes do seu sono e fiz acreditar que na minha ausência, quando dorme, quando seu silêncio é povoado de memórias, sorrateiramente cresço dentro de você. Como se a minha distância fosse a sua possibilidade de me afirmar. E daí esquecesse a que veio, ao que deve. E um vazio incomum lhe preenchesse e se visse surpreendida com uma necessidade do absoluto. E então no momento que pensar ser útil inventar o amor, eu já serei percebido, e farei uma carta de amor aberta, que será publicada em uma revista portuguesa para que se sinta poeticamente única a todos os outros amores. Como lhe assinasse anónima em todos. E aí se pegará rindo de ver tudo destino e literatura. E eu não precisarei ouvir dizer “eu também”. Porque vim antes.



Flávio Morgado. Rio de Janeiro, 4 de novembro de 2013.

sábado, 27 de julho de 2013

FALA AÍ BRASIL... FLÁVIO MORGADO

Para grande honra deste blogue, o poeta Flávio Morgado, a quem agradeço antecipadamente, decidiu voltar a presentear-nos com a sua colaboração e, desta vez, dá-nos a conhecer, através do seu olhar crítico, um dos trabalhos do artista plástico Victor Mattina.

Persistido, o óbvio assusta


Antes de tudo, duas considerações.
A primeira é que não significa que um artista, seja de qual tempo for, está em plena compreensão dos mais variados desenvolvimentos intelectuais, espirituais e tecnológicos que estão ocorrendo. Escrever um texto que os coloque nesses termos talvez esteja mais próximo de uma crítica feita por um historiador da arte, o que não ocupo, e além do mais, os próprios historiadores têm prestado cada vez mais atenção às singularidades do que nas possíveis semelhanças. Creio que os artistas não tenham essa necessidade, têm seu próprio trabalho a fazer, pesquisas intuitivas a realizar. Suas tintas atingem o nosso discurso, são livres. E por isso perene.
A segunda é acerca da pintura figurativa. É importante que fique claro que o figurativo não tem a exclusividade sobre a afetação, sua comunicação não necessariamente é a mais direta. Não é um rosto exposto, com a sua riqueza de vigas e humanidades, que define nosso movimento de aproximação ao quadro. Lembremos apenas de Picasso, “Guernica” (1937): choramos com a geometria.
Dadas considerações, tentarei fazer com que me entendam melhor.
Estou aqui para falar da pintura de Victor Mattina, mais precisamente de seu quadro “Ibn Al-Shaykh Al-Libi”, o rosto do terrorista líbio.
Capturado no Paquistão e entregue aos americanos, o líbio foi torturado até o limite de inventar confissões, ligando o ataque do dia 11 de setembro de 2001 ao Iraque, e confessar-se pelo silêncio. Adquiriu vitiligo após as sessões de interrogatório e foi encontrado morto anos depois em uma cela na Líbia. Mattina o conheceu por notícias, como todos nós, seu rosto foi exposto em fotografias, como o de todos os outros terroristas que já vimos. O que fez foi se constranger, e como pintor, nos estender o constrangimento. Pintou exatamente o que vimos na fotografia.
O registro fotográfico já não nos basta? Por que levá-lo, exatamente igual, ao quadro? Ou por que não o traduziu em outra forma de expressão, talvez mais contemporânea, menos figurativa, mais abstrata?
Talvez porque ir às tintas não seja mesmo igual, ainda que mantenha os mesmos referenciais fotográficos. Talvez porque um quadro abrigue-se em nós em outro espaço que não o da fotografia jornalística. Talvez porque a abstração não seja exclusividade apenas das formas geométricas.
Percebam o diálogo que se estabelece entre a fotografia e a pintura, principalmente no que se refere ao seu lugar de fala. Imaginemos a tal fotografia na quarta página do jornal que lemos todos os dias. Agora imagine o mesmo rosto pintado e emoldurado em uma exposição, recebendo seu merecido destaque. De repente, ali, onde estamos muitas vezes para fugir dos jornais, ele reaparece: “Parece que você não me viu direito, não é?”, sua voz encorpa-se naquele lugar.
Estando ali, soa um afronte. E não é por sua técnica, sua nova interpretação, sua contemporaneidade. Não. O pintor parece usar a pintura apenas como suporte ao alarde. E talvez para isso fosse mesmo preciso manter a figura, recuperar nossa capacidade de se tocar pela figura, apenas abstraindo o espanto, inerente em qualquer banalidade. “Olha, é simples. É só isso que (não)vimos todos os dias.” Tal qual nos fosse necessário, por exemplo, expor um cacho de banana e vê-lo apodrecer por uma semana para vê-lo preso ao jugo da palavra morte. É apenas um cacho de fruta, está sempre conosco, sabemos que elas com o tempo apodrecem, mas ainda assim é necessário. Como são os que intuem nossas necessidades de espanto e silêncio. Que emolduram o não-dito. Perene e persistente.



Meu primeiro espanto suscitou um poema e referendou sua perenidade:


olhos de ouvir
 “Ibn Al-Shaykh Al-Libi” de Victor Mattina


nosso risco
pouco difere de uma fruta
que em mancha, borra
                            ferida,
                 marca a luta.

à mesa,
em tinta pústula
a morte pinta-se
             por dentro (de açúcar)
da indiferente banana

à tela, o pintor
em tinta-muda
colore
            o discurso

(aos nossos olhos de ouvir)


o silêncio desordena
                               o rosto
e acusa inocência
                              do pintado
em não reconhecer a morte
                              pelo cacho
e na palavra um capricho



- fora sempre confessado.



Flávio Morgado. Rio de Janeiro, 25 de Julho de 2013.


quinta-feira, 13 de junho de 2013

EU FALO DE... ACORDO ORTOGRÁFICO


Muito se tem escrito e falado sobre o acordo ortográfico; contra e a favor. Independente da minha opinião e ignorando os argumentos de ambos os lados, aquilo que me apraz dizer é que, seja qual for o destino final desta iniciativa, ela nasceu torta e assim ficará ad aeternum.
Em primeiro lugar e, quanto a mim, o maior erro de todo este processo foi a forma arrogante como este acordo foi apresentado. Tal como vem sendo habitual na nossa sociedade, as decisões finais ganharam forma de irreversibilidade sem que em primeiro lugar tivesse existido uma discussão séria e equilibrada sobre todas as matérias. Discussão essa que deveria ter sido feita previamente e não ulteriormente, como veio a acontecer.

Se por um lado, os mentores deste acordo não se deram ao trabalho de ouvir todos aqueles que deveriam ser ouvidos, por outro lado, quem deveria ter sido escutado remeteu-se ao silêncio quando deveria ter falado e só se fizeram ouvir as vozes da discordância quando o acordo tomou corpo de lei, isto é, depois que foi aprovado.
Entre tanto ruído que se fez após a aprovação deste acordo ortográfico, aquilo que mais me intriga - tendo em consideração que este é um acordo da lusofonia - é a indisponibilidade do Brasil em aplicá-lo de imediato, por considerar existirem dúvidas na aplicabilidade de alguns pontos e a recusa dos PALOP em lhe dar legitimidade. Feitas as contas, o único país onde o acordo está efectivamente aplicado é Portugal.

A conclusão óbvia de todo este processo é simples: aquilo que pretendia ser a uniformização de uma língua esbarrou na impossibilidade de se uniformizar o que nunca será uniformizável.

MANU DIXIT

terça-feira, 28 de maio de 2013

EU FALO DE... UMA FESTA


A VIDA É UMA FESTA

Em primeiro lugar, quero deixar o meu pedido de desculpas, a todos os que acompanham este blogue, pelo longo período de silêncio a que o mesmo esteve remetido. Sem entrar em grandes detalhes, por se tratar de um assunto pessoal, quero também agradecer todo o carinho e amizade que alguns de vós me manifestaram perante o ocorrido. Já sabia de antemão a qualidade dos amigos que tenho mas é sempre reconfortante sentir que existem pessoas do nosso lado nos momentos mais delicados. Obrigado a todos por existirem. 

Tendo em conta que a vida continua, venho, neste novo respirar, falar-vos da grande festa de poesia que aconteceu no passado domingo, no Museu João Mário, em Alenquer.

Na sequência do I Concurso de Poesia AlenCriativos, da respectiva sessão de entrega de prémios e menções honrosas e como resposta à opinião publicamente expressa pelo júri, a editora Universus decidiu, com a devida autorização dos autores, juntar alguns dos poemas que foram a concurso e publicar a antologia AUDAZ FANTASIA. E foi, precisamente, a sessão de lançamento desta obra que levou mais de uma centena de pessoas ao Museu João Mário, em Alenquer, para assistir a uma bela festa, onde a música e a poesia estiveram de braços dados em nome de uma causa maior.

Se, por si só, tanto a música como a poesia seriam motivos mais que suficientes para reunir tanta gente num ambiente cultural e em torno da cultura, este evento ganhou outra dimensão pelo aspecto social que se lhe juntou.

Por decisão dos organizadores do I Concurso de Poesia AlenCriativos, dos responsáveis da editora Universus, dos membros do júri e com a anuência dos poetas envolvidos, parte do valor das vendas desta antologia reverte para a Mithós - Movimento de Apoio à Multideficiência, associação de carácter social.

Num dia ensolarado e com uma vasta gama de eventos espalhados um pouco por todo o país, foi muito interessante verificar as diferentes proveniências de quem marcou presença. Sendo natural que a maioria do público fosse residente nas áreas mais próximas de Alenquer, não posso deixar de referir aquelas pessoas que vieram de vários pontos do país, apenas e só, para assistir a este evento. Posso estar a cometer um engano mas creio que, de todas as regiões, apenas as ilhas não estavam representadas. E foi bonito de ver a interacção do público antes, durante e depois do evento. Se no “antes” e no “depois” é natural existir essa interacção, o envolvimento do público no “durante” acabou por dar um colorido diferente a um ambiente, já de si, festivo.

Não quero terminar sem fazer referência à grande surpresa que foi descobrir o talento de uma jovem que encantou toda a plateia com a sua fantástica voz. Deixo-vos o nome a reter: Cheila Raposo.

Por último, quero felicitar duas grandes impulsionadoras, duas grandes organizadoras, duas grandes animadoras, enfim, duas grandes senhoras que são a génese do grupo AlenCriativos e que, com o seu empenho, muita alma e coração, amor à escrita e à terra onde vivem, deram o exemplo do que se pode fazer quando se unem esforços em nome de uma causa. Parabéns Ana Coelho e Eugénia Ponte.    

MANU DIXIT

quarta-feira, 1 de maio de 2013

ADEUS

O HOMEM PARTE MAS A OBRA FICA. ATÉ JÁ, POETA E AMIGO, NUNO GUIMARÂES

(1960-2013)